in

Médicos fazem alerta aos pais: dar chupeta para bebê reduz risco de morte?

A Academia Americana de Pediatria (AAP) acaba de promover uma orientação que diz que para diminuir a ameaça de falecimento súbito dos bebês, os pais devem oferecer chupeta para o recém nascido no horário de dormir. Depois de revisar uma sequência de estudos sobre o tema a AAP descobriu que proporcionar chupeta para o filho no momento de dormir diminui o ameaça de óbito súbita no nível de 50 a 90%.

Publicidade

Os pediatras não apresentam conhecimento como a chupeta consegue evitar a falecimento súbito, porém os profissionais estão analisando a possibilidade do uso da chupeta colaborar para manter importantes vias aéreas abertas no decorrer do sono. Ainda que a chupeta caia da boca do filho no período o sono, verifica-se que os riscos de óbito instantâneo permanecem reduzidos.

Em relação a utilização da chupeta, a AAP destacou ainda que determinados cuidados são bastante necessários. É eficaz proporcionar a chupeta apenas depois do recém nascido já estar adaptado a amamentação, pois se não tiver, a chupeta pode impedir o aleitamento. Outra aprendizado é que a chupeta não pode possuir cordinhas, visto que eleva a ameaça e favorecimento de estrangulamento.

Publicidade

A AAP também declarou  que ainda não existem estudos específicos relacionados a questão de sugar o dedo, o questionamento é se irá auxiliar ou não. Consta que no momento não existem informações claras com relação ao tema uma vez que não foram realizados estudos mais profundos nessa área.

Publicidade

Quando o assunto é chupeta existe bastante polêmica no que refere-se ao assunto, uma vez que existem razões favoráveis e outras contrárias. Nesse sentido, especialistas recomendam aos genitores que cuidam de filhos pequenos que procurem médicos pediatras com o objetivo de receber orientações claras.

Publicidade

Com isso, nota-se que a chupeta apresenta uma finalidade boa que é evitar a ocorrência de uma morte instantânea, lembrando que quando a criança apresenta meses de vida os médicos recomendam que os genitores sejam bastante cuidadosos para que as crianças estejam protegidas.

Publicidade