in

Dar atenção ao bebê ou deixá-lo chorar por algum tempo? Saiba o que é melhor para o seu filho

Quem é pai ou mãe já deve ter ouvido falar sobre métodos que propõem deixar o bebê chorar por algum tempo porque isso ajudaria no desenvolvimento da criança e a faria dormir mais e melhor com o passar do tempo. Esse pensamento vai na contramão de uma pesquisa que foi publicada pela revista científica Pediatrics.

Publicidade

De acordo com o levantamento, dar anteção aos bebês e atender prontamente suas necessidades é o que o ajuda a dormir melhor. A pesquisa contou com 279 mães e seus bebês. O acompanhamento aconteceu desde o nascimento até os bebês completarem um ano de vida. Eles foram separados em dois grupos.

O primeiro recebeu orientações de enfermeiras para agirem com assertividade diante do que o bebê pedia com seus movimentos e sons. Agir rapidamente diante das necessidades da criança foi outra orientação que essas mães receberam.

Publicidade

O segundo grupo não recebeu este tipo de orientação. Na prática, este grupo seguiria a regra daqueles que recomendam deixar o bebê chorar por um tempo até atendê-lo.

Publicidade

 O resultado do estudo foi bastante interessante. Os bebês que receberam a maior atenção e carinho dos pais na hora de dormir, sendo atendidos prontamente quando choravam, passaram a ter uma rotina para pegar no sono mais rapidamente.

Publicidade

Outro detalhe interessante é que essas crianças tiveram maiores chances de pegar no sono sem precisar ser ninados. Os bebês que receberam maior atenção dormiram em média 35 minutos a mais por dia com oito semanas de vida.

Com 16 semanas, os pequenos dormiam em média 25 minutos a mais que os do outro grupo. Com 40 semanas, eram 22 minutos a mais. Isso parece pouco, mas foi toda a diferença para a saúde das crianças – e também para a saúde dos pais.

A pesquisa científica mostrou ainda que outro benefício interessante ao oferecer maior atenção e carinho na hora do sono do bebê, estava na saúde da criança, que tinha menor potencial para desenvolver obesidade no futuro.

Publicidade
Publicidade