in

Pesadelo: mãe revela detalhes da violência que sofreu durante o parto

Uma onda de violência obstétrica no Hospital de Morón, município de Ramiro Tagliaferro, na Argentina, veio à tona após uma queixa de Laura Cáceres, uma jovem mãe que foi internada para dar a luz.

Publicidade

Laura estava com o parto agendado para 8 horas da manhã de 3 de novembro de 2017, mas as contrações se tornaram muito fortes e ela decidiu ir ao Hospital de Morón duas horas antes, informou o jornal Tiempo Argentino.

"As parteiras me disseram que o turno de trabalho era mais tarde e me fizeram esperar. Pedi-lhes que me ajudassem e disseram-me para aguentar", disse a mulher.
  
"Eles ficavam gritando para eu parar de chorar, foi tudo um pesadelo", disse Laura através das lágrimas. "Eles começaram a fazer todos os tipos de manobras para remover o bebê, e acabou quebrando seu ombro direito e movendo a cabeça em todas as direções. A criança sofreu asfixia, foi ressuscitada e entubado."

Publicidade

Desde 3 de novembro de 2017, a criança está em coma e com um respirador artificial e devido a sufocação sofreu e os danos cerebrais severos são irreversíveis.

Publicidade

Na terça-feira, 20 de fevereiro, Cáceres conseguiu que o bebê fosse transferido para o Hospital Pediátrico Sor Maria Ludovica, em La Plata, para realizar uma traqueotomia e aplicar um botão gástrico. 

Publicidade

Agora essa mãe luta para levar o bebê para casa, mas tanto o município de Morón por Ramiro Tagliaferro, como o Buenos Aires Executivo recusar-se a prestar esse serviço. Apenas o governo nacional pode permitir essa medida.
Cáceres entrou com uma queixa na UFI 2 de Morón por violência obstétrica e negligência em 13 de dezembro.

Publicidade
Publicidade
Publicidade