in

Última pesquisa: surge nova candidata e ameaça liderança de Bolsonaro

Em uma pesquisa para avaliar o desempenho dos candidatos à Presidência da República, realizada com eleitores do Rio Grande do Sul pelo Instituto Paraná, um novo nome surgiu entre os primeiros colocados na corrida presidencial, ela ficou na frente dos veteranos Geraldo Alckmin (PSDB) e Fernando Haddad (PT) em um cenário sem o ex-presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva na corrida pela Presidência da República (veja gráfico abaixo).

Publicidade

No mesmo levantamento, quando Lula é incluído entre os presidenciáveis, ele perde pela primeira vez para Jair Bolsonaro (PSL-RJ), conforme mostrou a coluna Radar. Nas pesquisas que abrangem todo o território nacional e não apenas o Rio Grande do Sul, feitas por Ibope e Datafolha, Lula é o preferido. O Instituto Paraná ouviu 1.540 pessoas em entrevistas pessoais em 64 municípios do Rio Grande do Sul.

Como a margem de erro da pesquisa é de 2,5%, Manuela, que tem 7,9% das intenções de voto, fica tecnicamente empatada no segundo lugar, atrás de Bolsonaro. Manuela aparece empatada com Ciro Gomes (PDT), que tem 9,9%, Marina Silva (Rede), 9,9%, e Álvaro Dias (Podemos), com 7,4%. Na sequência estão Geraldo Alckmin (PSDB), com 5,2% e Fernando Haddad (PT).

Publicidade

Quando Lula aparece na pesquisa estimulada (veja segundo gráfico abaixo), a intenção de voto em Ciro, Marina e Manuela caem pelo menos dois pontos. Manuela, então, fica com 4,4%. Quando Lula consta na pesquisa, o número de eleitores que não votaria em nenhum candidato cai de 19,3% do primeiro cenário para 13,4% do segundo cenário.

Publicidade

Esta é a primeira vez em 95 anos que o PCdoB lança uma candidatura a presidente do país e Manuela tem garantido que não irá recuar para uma possível união entre candidatos de esquerda.

Publicidade

O Instituto Paraná também sondou a intenção de voto dos gaúchos para o próximo governador. Mesmo coma  tradição de não reeleger nenhum governador, os gaúchos apontam o atual chefe do Executivo, José Ivo Sartori (MDB), como o preferido, apesar da reprovação à sua gestão.

Fonte: Veja – Editora Abril

Publicidade
Publicidade