in

Derrota na Arena mostra falta de eficiência e futebol abaixo da média

Grêmio vinha embalado por uma invencibilidade de 10 jogos em 2018, mas reencontrou o velho conhecido Roger Machado, à frente do Palmeiras, nesta quarta-feira (06), em duelo válido pela 10ª rodada do Brasileirão. Em uma noite de atuação bem abaixo do habitual, o Tricolor foi batido com justiça por 2 a 0. A derrota não só encerrou a série invicta, como jogou luz às dificuldades vivenciadas pela equipe na Arena, com campanha de Z-4 como mandante.

Publicidade

O revés, por si só, já seria amargo em um duelo com um rival direto pelo topo da tabela, num confronto que opôs o Grêmio, tido como dono do melhor futebol do país, e o poderoso elenco do Palmeiras. Mas se torna ainda mais dolorido pelo histórico: o Tricolor teve de engolir a terceira partida seguida sem vitória e sequer um gol marcado na Arena pelo Brasileirão. Neste intervalo, porém, há um triunfo por 1 a 0 sobre o Defensor, pela Libertadores.

O retrospecto em casa é alarmante para um candidato ao título: a equipe soma apenas 40% de aproveitamento na Arena pela competição, com uma vitória, três empates e uma derrota. A campanha como mandante só é superior às apresentadas por Paraná e Ceará, penúltimo e lanterna do Brasileirão, respectivamente.

Publicidade

O contraste com a pontuação nas partidas distante de Porto Alegre evidencia ainda mais as dificuldades da equipe em casa. O Grêmio é dono da melhor campanha como visitante, com três vitórias, um empate e uma derrota e 66,6% de aproveitamento. Não para por aí. Se a equipe mantivesse o rendimento das partidas fora de seu reduto dentro da Arena, teria os mesmos 20 pontos do líder, Flamengo – que ainda entra em campo na rodada. O resultado é a apenas razoável sexta colocação, com 16 pontos.

Publicidade

"Temos conseguido vitórias fora de casa, e não na frente da torcida, o que poderia ter no levado para a liderança. Todos os jogos são difíceis no Brasileirão. A gente tem que dar os méritos para o adversário, eles foram mais felizes porque tiveram mais competência na hora de fazer os gols. Vida que segue", afirma Renato Portaluppi.

Publicidade

Antes da derrota desta quarta-feira, o Tricolor vinha de dois empates em 0 a 0 na Arena, contra Inter e Fluminense. Nas duas ocasiões, Renato incorreu a análises sobre a postura retrancada, até de "time pequeno" dos rivais para parar sua equipe.

O tropeço para o Palmeiras encerra ainda duas marcas emblemáticas do Grêmio de Renato Portaluppi. O Tricolor viu se dissipar uma série de 10 jogos de invencibilidade por três competições diferentes – Brasileirão, Copa do Brasil e Libertadores. O revés anterior havia sido sofrido pelo time reserva, no 2 a 1 para o Botafogo, ainda na segunda rodada do Brasileirão.

"Tem muita coisa pela frente. Agora, não interessa ganhar quantas em casa. Ganhamos três do Bahia, Ceará e Cruzeiro, fora. Mas também perdemos só uma em casa. Às vezes, não adianta querer fazer resposta elaborada. O que aconteceu foi isso. São duas grandes equipes. Uma aproveitou as chances e ganhou o jogo de 2 a 0. O Palmeiras jogou melhor e ganhou o jogo", analisa Duda Kroeff, vice de futebol.

Fonte: Gremistas.

Publicidade
Publicidade